${fontLinkMarker}
[socialicon start]
${socialicon}
[socialicon end]
[search start]
[searchform start] [searchform end]
[search end] [logo start]
${logo 90x90 resizable}
[logo end]
[sitename start]

${sitename}

[sitename end] [caption start]
${caption}
[caption end]

By: Avisa Lá | November 04, 2017

 

Nome da Instituição: 
Escola Municipal de Educação Infantil Dr. Carlos Nelz 

Responsável: 
Cláudia Fernanda Bergamo Drechsler 

Função ou cargo que ocupa: 
Professora de EI
Município e Estado: 
Gramado/RS
Faixa etária atendida: 
4 a 5 anos 
Categoria: 

Professor 2 - Passei a valorizar e expor as produções infantis

 

O que levou a realização da prática? (diagnóstico) 

A professora há muito se preocupava em como integrar as crianças ao espaço da escola e vinha discutindo com as colegas sobre a possibilidade de renovar os espaços com produções das crianças, para que elas se vissem como autoras, parte integrante do espaço, sem utilizar materiais plásticos, EVAs, entre outros. 


O cabide onde eram guardadas as mochilas das crianças, por exemplo, eram identificados por personagens estereotipados, todos iguais, sem que a criança participasse do processo de criação, não deixando suas marcas naquele espaço.

Descrição das intervenções que foram realizadas

A professora iniciou um trabalho com a identidade das crianças. Exploraram muitos materiais e construíram, em conjunto, o cabideiro da sala, mas, ao invés de personagens, utilizaram o autorretrato. Logo no início do ano, eles se olharam no espelho e retrataram em papel cartão sua “fotografia de corpo todo”, como as crianças dizem. Esses desenhos foram colocados nos cabides, juntamente com seus nomes. 


No meio do ano, realizaram a troca desses retratos e os recolocaram nos lugares que escolheram. A entrada da sala também foi confeccionada pelas crianças e toda a ação permitiu que elas reinventassem os espaços da escola.


Pinturas, trabalhos em argila e tudo o que é feito pelas crianças é exposto na sala e nos corredores da escola. As próprias crianças ajudam a pensar onde ficariam melhor expor suas criações.  O painel principal também foi confeccionado por eles, assim como o painel de tecido que existe no refeitório da escola.

Descrição dos saberes e fazeres infantis que emergiram no trabalho desenvolvido

As crianças passaram a reconhecer e valorizar suas produções. Uma delas mostrou como queria colar sua “foto” e a professora pensou que a posição fosse invertida, obtendo como resposta: “não profe, olha aqui o meu cabelo, cabelo é em cima da cabeça, né”?
Maria Isabella comenta: “não tem problema, né profe? Eu gosto de desenhar todo mundo” (família). “Olhem como estou linda”! 
Murilo brinca: “Profe, eu fiz uma pessoa com orelha de gato e bigode de rato, acho que não sou eu!” e ria sozinho.
E no mural do banheiro... Taylor: “Tu viu que a gente está escovando os dentes aqui, Murilo? É legal a gente se ver nas fotos, né”? 

Descrição dos resultados das ações

É nítida a evolução dos detalhes nos desenhos das crianças. Além de demonstraram evolução na linguagem oral e escrita. 
Muitas das crianças diziam que não conseguiam, não sabiam desenhar, mas hoje não aceitam mais propostas estereotipadas ou reproduções de desenhos. As crianças mostram-se seguras ao expor o que produzem. Levam para casa, mostrando a todos, satisfeitos e felizes, suas criações.

Category: Professor 2 

Tags:

[footer start]
[footer end]