Ocupação Criança

Para quem acredita no potencial infantil

By: Avisa Lá | December 18, 2018

 

Nome da Instituição: EMEI Dona Maria de Lourdes Coutinho Torres
Responsável:  Sirlene Socorro da Dalto de Souza
Função ou cargo que ocupa: Professora
Equipe participante: Lindalva Isabel da Silva Borges Anadelia Silva Picolo
 Cassia Monteiro de Oliveira
Município e Estado:  São Paulo/São Paulo
Faixa etária atendida: 4 e 5 anos

 

O que levou a realização da prática? (diagnóstico) 

Este projeto surgiu do olhar observador e curioso das crianças ao notarem que havia uma “abelha” construindo sua colmeia no telhado de um dos brinquedos do parque. Os questionamentos e hipóteses emergiam vivamente em seus diálogos no parque, enquanto observavam o pequeno inseto trabalhar na construção da colmeia. Ao dar ouvidos a essas vozes começaram a surgir propostas de pesquisas, investigações e vivências, onde as crianças foram assumindo a autoria de todo processo e transformando seus saberes em conhecimento científico. 

Descrição das intervenções que foram realizadas

Por meio de questionamentos, pesquisas e descobertas as crianças foram assumindo a autoria do processo de construção de conhecimento e decidiram apresentá-lo as outras turmas, que por sua vez, também compartilharam suas aprendizagens, criando uma grande "teia de saberes e conhecimentos”. 

Uma ação que começou com uma simples observação da construção de uma colmeia, ampliou-se para pesquisas sobre os pequenos frutos de uma palmeira do parque chamada “Jerivá” que produz pequenas flores e que fornecem néctar para as abelhas produzirem o mel. 

Nesse processo, de constante questionamento sobre tudo que iam encontrando ao seu redor, as crianças quiseram saber mais também sobre os grilos que encontravam constantemente pelas áreas externas da EMEI, ampliando ainda mais seus conhecimentos. A escola fez parceiras com entidades da região para enriquecer as pesquisas as crianças, como com o grupo “Paleontos”, que levou  para a EMEI a exposição “Mundo Artrópode”, com um acervo de mais de cem insetos e aracnídeos embalsamados e réplicas em tamanho real. E ainda, o contato com a ONG "Abelhas sem Ferrão" que subsidiou o grupo com informações e sugestões de pesquisa.

O projeto culminou em uma exposição para toda a comunidade escolar. Neste dia, foram expostas fotos registradas pelo olhar infantil e suas produções. A ideia desse evento foi a valorização dos saberes e conhecimentos infantis, por isso, as crianças foram convidadas a usar o microfone, disponível para quem quisesse falar sobre o que “sabia e/ou conhecia sobre a natureza e seus pequenos bichinhos”. Não foi preciso ensaio, nem falas decoradas, pois as crianças tinham muito a falar e compartilhar.
 
Descrição dos saberes e fazeres infantis que emergiram no trabalho desenvolvido

Durante todo o projeto as crianças eram convidadas a fazer os registros de suas hipóteses e constatações através de desenhos de imaginação, observação, modelagem, instalações, utilizando como recursos os mais diferentes materiais que iam desde recursos gráficos (papel, lápis, giz de cera, canetinha, tinta) até recursos naturais (gravetos, folhas secas, sementes etc), pois desenvolveram o hábito de recolhê-los quando exploravam as áreas externas. 

Ao descreverem seus desenhos e produções as crianças expunham os conhecimentos construídos sobre o pequeno inseto: 
“Essa abelhinha está de barriga cheia, pois acabou de chupar muito néctar de uma flor... Está tudo no ‘estomiguinho’ (referindo-se ao estômago) dela” (descreveu a pequena Alice) “As abelhas são insetos, então eu fiz seis patinhas para ela” (disse Julia)  As crianças tiveram a oportunidade de saborear e sentir o cheiro do mel, e de realizar uma receita de bolo de pão de mel, percebendo as quantidades e os processos químicos que envolvem a culinária. 

Enquanto esperavam o bolo assar, as crianças se mostraram bem ansiosas. Até que a pequena Kauani sugeriu: “Que tal a gente fazer uma festa para quando o bolo ficar pronto?”. A ideia foi acolhida pela turma e pela professora que organizou junto com as crianças o espaço e a decoração da “festa” usando os matérias do kit de brincadeiras de ”faz de conta” que faz parte do acervo de brinquedos da sala.


Assim, quando o bolo ficou pronto, as crianças brincaram de celebrar fazendo uma festa e se deliciando com a receita executada. Quando encontraram no parque pequenos frutos, a curiosidade das crianças levou a conversa. que segue:
 “Essas frutinhas são mangas... eu vou levar para casa e esperar crescer para comer” (afirmou a pequena Laisa ao recolher os misteriosos frutos) “Não são mangas... eles não vão crescer, porque são coquinhos” (disse com muita convicção a Sophya).
Durante o processo de pesquisa, descobriram também que antes de produzir esses frutos, o jerivá produz pequenas flores que são muito procuradas pelas abelhas para retirada de néctar.

Relacionaram essa informação à explicação que os colegas da outra turma deram sobre as abelhas: “Então é por isso que tem as abelhinhas no parque, porque elas tiravam o néctar das florezinhas do jerivá” (disse Pamela)
Para compartilhar tudo o que aprenderam, as crianças confeccionaram um painel sobre o jerivá, utilizando tinta, colagens de fotos e desenhos feitos por elas de diferentes insetos e pássaros, ilustrando a biodiversidade do parque da escola. 

Descrição dos resultados das ações

Com esse trabalho as crianças tornaram-se protagonistas de sua própria aprendizagem, ampliaram seus conhecimentos e continuam a se encantar a cada descoberta. Sentem-se cada vez mais a vontade para compartilhar tudo o que aprendem. As famílias têm se mostrado mais participativas, valorizando as descobertas infantis e as incentivando por meio de pesquisas feitas em casa e enviadas à escola. Quanto às educadoras, para além do encantamento com esse trabalho, aprenderam muito sobre o “fazer pedagógico”, no que se refere à qualificação de suas práticas e à importância da escuta das crianças. Perceberam também como é importante e enriquecedor estabelecer parcerias, que podem dar suporte e enriquecer o trabalho.

Percebem como muito importante as reflexões e discussões que realizam sobre os ODS (Objetivos de desenvolvimento Sustentável) para ampliar o contato das crianças com a natureza, de forma que elas possam compartilhar seus saberes e transformá-los em conhecimentos para uma vida sustentável, na redução das desigualdades e sobretudo preservando e utilizando, de forma consciente, os recursos naturais e garantindo assim, os direitos das futuras gerações.

Galeria de fotos

Vídeo comentado

Category: Professor 1 

Tags:

Comments:

Be the first to comment ...

Post a Comment