Ocupação Criança

Para quem acredita no potencial infantil

By: Avisa Lá | December 18, 2018

 

Nome da Instituição: Escola Municipal Infantil Cândida Iora Turra
Responsável: Géssica Aline Hermes
Função ou cargo que ocupa: Professora
Município e Estado:  Ijuí RS
Faixa etária atendida: 4 e 5 anos
Categoria - Professor 2: Passei a valorizar e expor as produções infantis

 
O que levou a realização da prática? (diagnóstico) 

A Pesquisa iniciou com um achado na pracinha. Em meio às brincadeiras no pátio um bicho verde e estranho foi encontrado. Logo, algumas teorias e hipóteses sobre o tal bicho verde começaram a surgir, e a turma resolveu levá-lo para a sala de aula a fim de estudá-lo. 


Desde os primeiros achados da pesquisa as crianças tiveram autonomia para investigar e levantar hipóteses sobre o bicho verde, trazendo seus saberes e buscando conhecimentos científicos.

Descrição das intervenções que foram realizadas
Todos os passos da pesquisa foram traçados pelas crianças, as hipóteses para testagens, ideias e conclusões eram levadas em rodas de conversa para serem discutidas em grupo. A produção de gráficos e cartazes de acompanhamento das hipóteses, permitiu relembrar o que já haviam testado, permitindo novos questionamentos. Utilizaram lupa para melhor exploração, além de informações coletadas na internet. 


As descobertas eram registradas por meio de falas e desenhos, utilizando vários materiais como lápis, canetinha, mas também materiais naturais, como folhas, gravetos e afins. 

Descrição dos saberes e fazeres infantis que emergiram no trabalho desenvolvido 

Levaram o bicho verde para a sala e realizaram uma observação de suas características para descobrir de que bicho se tratava. Inicialmente realizaram várias possibilidades: bicho folha, grilo, gafanhoto ou gafanhoto que brilha no escuro e ilustraram por meio de um gráfico. 


Passaram, então, a verificar se o bicho era um gafanhoto que brilha no escuro. Indagadas sobre como poderíamos descobrir, o Juliano propôs desligar as luzes para ficar escuro, mas não ficou escuro suficiente. Então, fizeram uma cabana com cobertas sobre a mesa e concluíram que não era gafanhoto que brilha no escuro. A possibilidade de ser um grilo também foi descartada, pois em uma pesquisa na internet descobriram que grilo faz barulho e pula.


Em outro momento de conversa, sobre o que fazer para manter o bicho vivo, levou a várias ideias e hipóteses como: dar comida, água, precisa de vento e um lugar para dormir. E a próxima curiosidade era descobrir o que o bicho verde comia. Em uma das tentativas de descobrir o que ele comia, colocaram no pote formigas e no dia seguinte o bicho estava morto. Logos as crianças começaram a pensar sobre o que poderia ter acontecido: Juliano: “Ele morreu!”


 Kerollyn: “Não, nós colocamos água”.

 Kimberlly: “Eu sei, as formigas estavam envenenadas!”.

Descrição dos resultados das ações

As crianças compartilharam suas teorias sobre os acontecimentos e sobre o bicho verde por meio de falas e montaram uma exposição com cartazes, desenhos e registros de fotos de suas vivências. 
Foram autoras do planejamento, do processo de pesquisa e das testagens elaboradas a partir das observações, vivências e experiências.


Com a pesquisa as crianças puderam criar seus próprios caminhos e suas formas de pesquisar. Elaboram suas teorias, expressando seus saberes e conhecimentos sobre o assunto.


Durante este percurso de investigação, as suas falas foram acolhidas e valorizadas, sistematizadas em cartazes expostos em sala de aula que deram visibilidade ao processo de construção de conhecimentos sobre o tema.

Galeria de fotos

Vídeo comentado

Category: Professor 2 

Tags:

Comments:

Be the first to comment ...

Post a Comment